capa
InstagramTwitterFacebook

anuncie

15/08/2018

directv

EUA: Fim da neutralidade da internet aprovada por maioria republicana

neutralidade internet destaque

Internet Neutra: O que é:
Uma internet neutra significa que, as operadoras de telecomunicações não podem fazer distinção de tráfego com base em interesses comerciais, nem privilegiar a transferência de determinados pacotes de dados (aquilo que enviamos ou recebemos quando estamos navegando) em detrimento de outros.

A Comissão Federal de Comunicações norte-americana concordou no dia 14 de dezembro numa nova lei que aprova o fim da neutralidade da internet. Com esta decisão, os grandes fornecedores de internet vão poder escolher e manipular a velocidade do tráfego de alguns sites.
A maioria republicana, numa decisão inédita, votou a favor do fim da neutralidade da internet. Isto significa que os dias da internet como um serviço público, de acesso livre para todos os que a utilizam, estão contados.

As grandes empresas fornecedores da internet, através desta medida, podem assim bloquear conteúdos ou manipular a velocidade do tráfego em certas páginas. Empresas como a AT&T, Comcast ou Verizon Communications Inc vão passar a escolher a velocidade aos conteúdos aos quais os utilizadores vão poder ter acesso. Apenas têm de tornar a opção do conhecimento público.

O fim da neutralidade da internet foi aprovado por Ajit Pai, um republicano escolhido por Donald Trump para tratar das questões levantadas por Barack Obama sobre o poder dos fornecedores de internet sobre o conteúdo ali partilhado. Ação legal em vários estados para tentar reverter a nova lei foi anunciada em comunicado pelo democrata Eric Schneiderman. A também democrata Jessica Rosenworcel, que ocupa um lugar na Comissão de Comunicações norte-americana, mostrou-se espantada pela decisão.

“Eles [empresas fornecedoras de internet] têm a habilidade técnica e incentivos negociais para discriminar e manipular o vosso tráfego de internet. E agora, esta agência [Comissão Federal de Comunicações] dá-lhes luz verde para iniciar esse processo”, declarou Rosenworcel.

neutralidade internet